sexta-feira, 18 de abril de 2014

Citando #34

Citações do Livro Convergente – Veronica Roth



Na resenha do livro Convergente, eu tinha dito que ele era recheado de citações e falei que eram tantas que muitas delas se repetiam, bom, separei várias pra mostrar pra vocês, mas antes de postar, quero mostrar como ficou o meu exemplar (não é o exemplar da promoção). 

Olhem só:





Viram? Muitas citações! Eu costumo marcar com um marca texto e colocar um post-it na folha, pra ficar fácil de encontrar, vocês fazem isso com os de vocês?

Agora vamos às citações J

“quando você mata alguém que ama, a parte difícil nunca passa. Só fica mais fácil se distrair do que você fez.” Página 68

“Será que medos desaparecem de fato? Ou apenas perdem o poder sobre nós?” Página 98

“É tudo uma questão de sorte ou providência, dependendo da sua crença. E eu não sei, nem nunca soube, bem no que acredito.” Página 101

“Se você rouba as memórias de uma pessoa, você muda quem ela é.” Página 106

“estou imaginando se é uma boa idéia se contentar com pequenos passos quando é possível dar passos grandes.” Página 153

“o desespero pode levar uma pessoa a fazer coisas surpreendentes.” Página 179

“se todos aprendessem o tempo todo sobre o mundo ao seu redor, teríamos muito menos problemas.” Página 222

“Nossa habilidade de aprender sobre nós mesmos e sobre o mundo é o que nos torna humanos.” Página 223

“Todas as pessoas tem algo de mal dentro de si e o primeiro passo para amar qualquer pessoa é reconhecer o mesmo mal dentro de nós para que possamos perdoá-la.” Página 279

“O Orgulho cega as pessoas para a verdade sobre elas mesmas.” Página 310

“Ao receber uma oportunidade de se aproximar de seu inimigo, sempre aceite.” Página 324

“quando alguém controla as informações ou as manipula, não precisa de força para manter as pessoas sob seu jugo. Elas obedecem por vontade própria.” Página 346

“quando precisamos escolher entre duas opções ruins, escolhemos a que salvará as pessoas que amamos.” Página 386

“Há uma diferença entre admitir e confessar. Admitir envolve suavizar a história e inventar desculpas para algo que não pode ser desculpado; confessar é apenas uma nomeação do crime em toda a sua seriedade.” Página 398

“Para mim, quando uma pessoa faz mal à outra, as duas compartilham o ônus da maldade. A dor dela pesa sobre as duas. O perdão, então, é a opção por carregar o peso sozinho.” Página 407

“se o sacrifício for a melhor forma de a pessoa mostrar que nos ama, devemos permitir que ela o faça... essa é a maior dádiva que podemos dar à pessoa.” Página 409

“Ou talvez o perdão seja apenas o afastamento contínuo de lembranças amargas até que o tempo diminua a dor e a raiva, e o mal seja esquecido.” Página 443

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Dinah Fried

Dinah Fried é uma brilhante designer, e diretora de arte, que teve a linda idéia de reproduzir em um livro, algumas das refeições mais memoráveis da literatura. Vejam e apaixonem-se pelo trabalho dela, assim como eu me apaixonei.


Alice no País das Maravilhas


On The Road - Jack Kerouac


Oliver Twist - Charles Dickens


Moby Dick - Herman Melville


Para visitar o site dela, só clicar aqui.

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Top 3: Os Coléricos da Literatura

Vocês sabem o que são coléricos?

Coléricos são pessoas que durante um ataque de fúria ficam cegos pra tudo e todos e combatem por instinto, dizimando vários inimigos de uma só vez.

A primeira vez que vi o termo foi durante a leitura do livro Bento do André Vianco, a partir daí, comecei a prestar atenção durante a leitura, pra ver se encontrava mais alguns. E não foi que eu encontrei? Vou falar primeiro dos personagens que provocaram essa minha curiosidade:

Bento – André Vianco



Depois de uma noite misteriosa, chamada por muitos como a Noite Maldita, grande parte da população adormeceu inexplicavelmente. Algumas pessoas, ao despertar, se tornaram vampiros, outros despertaram como Bentos, guerreiros da Luz renascidos para derrotar as criaturas noturnas. Os Bentos são coléricos, só param de lutar quando morrem. Bento Lucas, o trigésimo Bento, é o Escolhido para cumprir a profecia. Para se provar que é um Bento, tem um ritual de iniciação. O Bento novato é acorrentado a uma árvore, com os pulsos atados por algemas de ferro e deixado preso e sozinho em meio a um ataque de vampiros. Durante seu “batismo”, no auge de sua fúria colérica, Bento Lucas, matou mais de 2 mil vampiros, reforçando a crença e a esperança, de que ele era realmente o escolhido.

Veja mais sobre o autor ou sobre a série clicando aqui.

Como Treinar o Seu Dragão – Cressida Cowell



O colérico desta saga não é o Soluço como muitos devem ter imaginado, na verdade, é o melhor amigo dele, o Perna de Peixe. Esse menino magricela, poeta e medroso, se transforma em situações de raiva. Ninguém consegue controlá-lo. Somente Soluço tem coragem suficiente pra ficar perto do garoto durante um ataque, mesmo correndo o risco de ser estapeado ou coisa muito pior. As cenas em que Perna de Peixe é tomado pela cólera são em sua grande maioria muito divertidas, pois o garoto franzino não tem a força necessária para derrotar um exército, entretanto, pra desespero de Soluço, o menino enfrenta mesmo assim vários guerreiros com o dobro de seu tamanho.

Veja mais sobre o autor ou sobre a série clicando aqui.


Gregor O Guerreiro da Superfície – Suzanne Collins




Gregor descobre-se um colérico quando está sendo treinado para enfrentar uma grande profecia a qual está destinado. Como a maioria dos coléricos, ele é O Escolhido, e terá que lidar não só com o fato de que está destinado a um grande feito, mas também a lidar com o seu Dom para não acabar sendo consumido por ele. Esse é um dos maiores medos de Gregor, além de perder sua família é claro. Depois de uma crise colérica, Gregor não se lembra de nada, ele desperta sempre ensanguentado e passa o resto do dia descobrindo através dos relatos de seus amigos como foi que ele conseguiu abater tantos guerreiros de uma só vez. É um Dom assustador para alguém tão jovem e sofrido. 

Veja mais sobre o autor ou sobre a série clicando aqui.

terça-feira, 15 de abril de 2014

Tirinhas da Nemi Montoya

Conheci as tirinhas da Nemi através de um amigo que me indicou o site Proibido Ler.

Nemi é uma personagem criada pela cartunista norueguesa Lise Myhre, e teve sua publicação vinculada a uma revista mensal. A princípio, tinha-se receio sobre sua aceitação, uma vez que esse tipo de publicação não era muito popular na Noruega, mas com o passar o tempo, o receio se provou infundado, e a personagem fez muito sucesso, passando a ter uma circulação de 70000 cópias. Hoje, as tirinhas são publicadas não só na Naruega, mas também na Finlândia, Suécia e Inglaterra.    








Imagens retiradas do site Proibido Ler Proibido Ler

O legal das tirinhas é que elas retratam coisas do cotidiano, e apesar da Nemi ser estereotipada, ela retrata a mulher real. Confesso que não estou muito por dentro desse universo, mas eu queria muito saber porque tirinhas assim não são publicadas aqui no Brasil, eu leria com certeza!

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Resenha: Convergente

TEM SPOILER! TEM SPOILER! TEM SPOILER! LEIA POR SUA CONTA E RISCO E NÃO RECLAME DEPOIS!!!

Terminei agora mesmo essa leitura e ainda não sei o que pensar sobre o final dessa história que me cativou tanto nos dois primeiros livros.

Quero deixar claro aqui que não sou uma hater, não tenho absolutamente nada contra a Veronica Roth, mas meu, quando terminei a leitura pensei PUTA QUE O PARIU O QUE FOI ISSO?

Vejam bem, o livro inteiro foi muito chato. Eu entendo que a autora teria que dar muitas explicações nesse último livro sobre as facções e os Divergentes, mas tudo foi explicado de maneira tão arrastada, que se tornou entediante. Levei apenas dois dias pra ler tanto o Divergente quanto o Insurgente, mas o final da série me levou 11 dias, o que pra qualquer bookaholic é muito tempo.

Além das explicações a cerca dos GD (Genes Danificados) e GP (Genes Puros) serem muito extensas, os muito levantes e os planejamentos dos mesmos também levaram grande parte da leitura. O Quatro que nos primeiros livros da série era forte, um porto seguro para Tris, neste livro estava fraco, chato e perdido. Não confiou em Tris, não lhe deu ouvidos quando ela o alertou sobre confiar nas pessoas erradas e agir por impulso, perdeu seu dom de perceber quando as pessoas mentiam pra ele, ou realmente não quis enxergar por conta do seu desespero em ser aceito em algum lugar. Ele não foi Quatro, ele foi Tobias, o garoto da Abnegação maltratado por seu pai, carente de atenção e cuidado.

Tris continuou da mesma forma. Forte e inconsequente, sempre se colocando na linha de fogo pra proteger aqueles que amava. Mas seu grande e verdadeiro amor ela acabou abandonando, quando se entregou pra morte em função de “um bem maior”. Bem maior esse, que estou me perguntando até agora qual foi, porque no epílogo, Quatro nos conta que ainda existe gente defendendo uma possível guerra, que não acreditam na Nova Chicago, e acham que só através da força poderão conseguir a tão desejada cidade dos sonhos.

Mas vejam, o livro não foi de todo ruim. Tiveram sim alguns momentos profundos e importantes. Como a cena em que Quatro dá a sua mãe a chance de escolher entre uma guerra tirana e o amor de seu filho. Quando Tris entende as fraquezas de Quatro e o aceita como ele é. Quando todos se unem pra defender as minorias. Quando Tris finalmente perdoa seu irmão e se sacrifica por ele, por nãos ser capaz de entregar seu irmão pra morte. E finalmente o epílogo de Quatro, tendo que lidar com a dor da perda de seu grande amor, e enfrentando um de seus maiores medos para lhe fazer uma última homenagem.

Esse livro tinha tudo para encerrar a trilogia de forma épica, mas infelizmente não foi o que aconteceu, devido ao que eu disse aí em cima, as várias descrições arrastadas e as várias passagens sobre revoltas que não saíram da mesmice. O livro foi recheado de citações profundas, eu vou fazer um post com as que eu mais gostei ainda essa semana, só que elas eram tantas que chegaram a se repetir, sério!

Senti falta de Tris e Quatro juntos e estava torcendo por um final feliz pros dois, mas entendi que essa história fala de perdão e escolhas, e que uma escolha pode não só te definir, mas também definir o caminho que as pessoas que amam você, podem vir a seguir.

Eu esperava mais, muito mais.




Resenha do Mês de Abril do Desafio do Tigre. Tema: Hype do Momento. Pra saber mais sobre o Desafio, basta dar uma olhadinha neste post aqui ou acessar a página do DL no facebook.